A área de construção civil é uma das mais complexas do mercado, pois exige que uma grande equipe multidisciplinar lide com um projeto de alta complexidade por um período prolongado de tempo. Por isso, pode ser difícil administrar corretamente o serviço ao longo do tempo. Contudo, será que você sabe mesmo o que é gestão de obras na prática?

Apesar de parecer algo bem óbvio, muitos profissionais da área podem perder vista de sua execução. Isso é o que leva a projetos atrasados, incompletos ou sem a qualidade desejada. Naturalmente, isso compromete a entrega do trabalho ao cliente final, o que prejudica bastante a credibilidade do seu negócio.

Para evitar que você cometa alguns desses erros, vamos falar um pouco mais sobre a gestão de obras, que vantagens ela traz e como utilizá-la para estabelecer metas melhores para o seu projeto. Acompanhe.

O que é gestão de obras e como funciona?

De forma bem simples, uma gestão de obra é o trabalho de planejar e organizar todas as atividades dentro do canteiro de obras, esclarecendo como será seu funcionamento, como será feita a distribuição de tarefas, administrando recursos, entre outras coisas que asseguram que a entrega do projeto será concluída em tempo hábil e com a qualidade desejada.

Em geral, esse trabalho começa bem antes do início da obra, nas conversas entre os principais responsáveis pela coordenação do processo. É o caso dos engenheiros, gestores financeiros e outros profissionais que lidam com a maior parte do planejamento. A ideia é que, com um bom acompanhamento das atividades, seja possível manter a equipe alinhada, mesmo em serviços que podem durar anos.

Principais benefícios da gestão de obras

Há bons motivos para você aprender o que é gestão de obras e aplicá-la em seu negócio. Para esclarecer isso, listamos aqui 6 das principais vantagens que ela traz para a execução do projeto. Acompanhe.

Redução de custos

Uma das prioridades de qualquer trabalho de gestão é garantir que o custo final ficará dentro do orçamento ou, se possível, abaixo do planejado — isso sem comprometer a qualidade do produto final, é claro. Quanto mais economia puder ser feita durante o decorrer do projeto, mais rentável será o produto final e mais margem de erro o time terá para lidar com imprevistos.

Isso não quer dizer necessariamente cortar alguma compra ou reduzir o escopo do projeto, afinal, se o planejamento inicial for bem executado, isso não deve ser um problema. A forma como a gestão pode atuar para eliminar despesas é justamente reajustar recursos e lidar com possíveis surpresas.

Foco na produtividade

Quando você tem um projeto de longo prazo, potencialmente com mais de um ano de trabalho pela frente, é fácil perder de vista todo o planejamento e começar a seguir no piloto automático. Porém, esse quase sempre é o caminho para uma severa perda de produtividade, especialmente nos estágios intermediários da obra.

Por isso é útil ter uma equipe que mantenha uma visão clara para suas metas. Enquanto você continuar acompanhando a execução do trabalho todos os dias, pode ajudar sua equipe a se manter focada nos objetivos do seu trabalho, maximizando os resultados a longo prazo. Algo que é fundamental na área de construção civil.

Antecipação e prevenção de problemas

A segunda tarefa de um profissional de gestão de obras é estar atento a possíveis pontos de falha e criar um plano B com antecedência. Todo projeto que dura bastante tempo costuma sair do cronograma original, já que há muita incerteza e fatores que podem afetar a entrega do produto final.

É impossível prever exatamente quando algum problema desses acontecerá, mas há diversas formas de estimar quais são esses possíveis imprevistos e como a empresa pode lidar com eles. Ao criar um plano de ação preestabelecido, fica bem mais fácil adaptar seus processos para lidar melhor com essas situações.

Maior controle sobre o estoque de materiais

O material de construção é uma das principais despesas envolvidas em qualquer projeto imobiliário, seja ele uma reforma ou uma nova construção. Devido aos seus grandes números, é bem provável que algumas coisas sejam usadas sem aviso ou perdidas durante a movimentação. Pode parecer pouco, mas isso se acumula e gera vários custos desnecessários.

Gerir seu estoque é uma tarefa bem importante. Realização de inventário, conferir se há algo em falta ou em excesso, redistribuir os itens, entre outras coisas, devem ser algumas de suas prioridades na rotina da obra. Nunca se sabe quando a falta de material pode atrasar a entrega da obra.

Elevar a qualidade do produto final

O principal objetivo de qualquer trabalho de planejamento e gestão é garantir que o produto final tenha o maior valor possível para o cliente. Se for um prédio, ele deve ter boas condições de habitação, durabilidade e nenhum problema estrutural imediato. Há pequenas coisas que podem ser feitas para elevar essa qualidade e promover inovações durante a execução da obra.

É aí que entram as adaptações e flexibilizações no planejamento original. Se você pretendia, por exemplo, comprar um determinado tipo de tinta, mas surgiu uma nova que é mais rentável e melhora a qualidade do produto final sem comprometer o processo de aplicação, então, vale a pena fazer a troca da mercadoria.

Delegar melhor as responsabilidades

Por fim, mas não menos importante, você também terá responsabilidade pelo uso dos recursos humanos disponíveis na sua obra. Eles são ainda mais importantes que qualquer máquina ou recurso à sua disposição e precisam ser alocados corretamente para gerarem bons resultados.

Por “alocar”, nos referimos justamente à atribuição de tarefas de acordo com a necessidade, tempo, disponibilidade e área de conhecimento. Uma simples reorganização de equipe, melhores ferramentas de comunicação e distribuição de tarefas pode fazer com que um time subutilizado passe a alcançar um nível muito mais elevado de qualidade sem se desgastar.

Como estabelecer boas metas na sua gestão de obras?

Com todos esses fatores em mente e um bom entendimento sobre o que é gestão de obras, o que você pode fazer para estabelecer metas melhores? Se estiver em dúvida, tente seguir estas dicas.

Estabeleça os objetivos do projeto

Para evitar confusão, é bom entender a diferença entre “meta” e “objetivo”. Enquanto suas metas são coisas concretas, como “entregar um prédio em 5 anos”, os objetivos são coisas mais gerais, como “criar um imóvel onde vários moradores possam conviver e se aproximar”.

Pensando no exemplo acima, o objetivo já pode afetar o planejamento do projeto. Para alcançá-lo, um caminho possível é projetar um prédio com várias áreas coletivas, o que exige diferentes materiais, mão de obra etc.

Mantenha seus prazos e recursos em mente

Não adianta nada ter as melhores ideias do mundo e não ter tempo ou dinheiro para colocá-las em prática. Por isso o seu processo de planejamento deve considerar também a disponibilidade desses itens.

Claro que, como já mencionamos algumas vezes desde o começo do texto, muitas coisas podem não sair como o planejado, especialmente me projetos mais longos. Sendo assim, em vez de tentar conseguir uma previsão exata de todos os resultados, o melhor a fazer é analisar dados e buscar uma faixa de estimativa. Dessa forma, você terá alguma margem de erro com a qual trabalhar.

Corte desperdícios

O próximo passo na sua gestão de obras é cortar gastos desnecessários. Isso inclui diversas ações, como se livrar de máquinas que não serão utilizadas, planejar um estoque adequado, entre outras. Quanto mais você puder otimizar seus recursos, melhor.

Tenha apenas em mente que o objetivo é evitar desperdícios, não compras importantes. Meio saco de cimento jogado fora é desperdício. Lâmpadas extras para iluminar adequadamente a obra não é.

Tenha planos de contingência para emergências

Algo que já reiteramos algumas vezes até agora, mas que nunca é demais lembrar, é que imprevistos acontecem. Não há como evitá-los todas às vezes, então, você vai precisar ter alguns planos de contingência para lidar com eles rapidamente. Uma vez bolados, as equipes que trabalham na obra também devem estar bem informadas e capacitadas para colocá-los em prática.

Digamos, por exemplo, que pode ocorrer algum defeito no abastecimento de água durante a obra e ameaçar inundar a fundação do prédio. Um bom curso de ação seria: cortar a água rapidamente; identificar a origem do defeito: vedar o vazamento.

Defina indicadores de desempenho

Mesmo que você seja bem experiente na área de construção civil, suas observações não são o suficiente para avaliar o progresso do projeto com precisão. Sendo assim, você deve estabelecer alguns indicadores de desempenho para a obra e buscar relatórios periodicamente.

Esses indicadores, como o nome já diz, são estatísticas e outros fatores numéricos que indicam se uma determinada meta está sendo alcançada. Com ele em mente, você pode mais facilmente determinar quando sua obra precisa de algum ajuste e quando ela está indo de acordo com o esperado.

Depois de entender o que é gestão de obras e como usá-la para definir boas metas de desempenho, você já pode aplicar esse conhecimento para alcançar o objetivo de todos os seus projetos. Lembre-se que a elaboração de boas metas é a chave para manter um bom desempenho no médio e longo prazo.

Quer continuar recebendo dicas para melhorar o desempenho das suas obras? Então, assine a nossa newsletter e receba tudo em primeira mão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *